Search Filter

Tipo de Documento

Nível Bibliográfico

Autor

Data

Editor

Coleção

Assunto

Forma do Assunto

Língua

Público-alvo

 
Página 1 de 3 1 2 3 > >>
Texto
[40415]
Pansu, P. ; Tarquinho, C.                                      ; Gilibert, D. - Internal attributions in an intergroup business setting. . vol. 68, nº. 1 (Mars 2005)
Capa
[92250]
European Centre for Disease Prevention and Control.   - Hepatitis B and C surveillance in Europe : 2006-2011. Stockholm : ECDC, 2015. 53 p.. ISBN 978-92-9193-487-4
Texto
[33871]
Portugal.   - Despacho conjunto nº. 666/2001-Altera o Regulamento Geral de Atribuição de Bolsas de Estudo por Mérito a Estudantes das Escolas Superiores de Enfermagem e Escolas Superiores de Tecnologia da Saúde Públicas. . nº. 169/2001 de (2001-07-23)
Texto
[51924]
Riquelme Olivares, M. ;   - Trabajo social y cuidados paliativos : el reto de la investigación. . vol. 17, nº. 5 (Septiembre-Octubre 2010), p. 301-309
Texto
[25949]
Portugal - Resoluçäo nº. 2/97-1ª. Secçäo-Define o regime de contagem dos prazosprocessoais decorrentes da entrada em vigor da revisäo do Código do Processo Civil. "D.R.".-I-B Série.-nº. 49/97 de (1997-02-27.-p. 885
Texto
[30235]
Alerta do "Survey". "Revista Obstetrícia e Ginecologia".-Lisboa.-vol. XXI, nº. 11 (Dez. 1998).-p. 344
Texto
[28158]
. "Nursing Research".-Philadelphia.-vol. 47, nº. 3 (May/June 1998).-p.
Texto
[2663]
La Remanizacion de Galicia. Corunha : Del Castro, 1976. [22], 128 p.. ISBN 84-85 134-20-6
Texto
[31570]
Amorim, Maria Isabel Soares Parente Lajoso - Qualidade de vida e coping na doença crónica : um estudo em diabéticos näo insulinodependentes. Porto : [s.n.], 1999. 162, [18]. A diabetes mellitus é uma doença crónica, relativamente comum, que pode restringir as actividades quotidianas do doente, podendo a longo prazo conduzir a complicações e morbilidade consideráveis: retinopatia diabética, nefropatia, neuropatia e doenças cardiovasculares. Com a finalidade de prevenir o desenvolvimento destas complicações, a nível da glicose sanguínea deve ser tão próximo quanto possível dos níveis "normais". Como a vivência com a diabetes mellitus atinge todos os aspectos do quotidiano, os doentes têm, eles próprios, de ser capazes de auxiliar definitivamente o controlo da situaçõ metabólica. No entanto, existem consideráveis evidências de que a adesão a um regime adequado de controlo da diabetes é frequentemente negligenciado. O presente estudo está relacionado com a QV dos diabéticos não insulinodependentes e os seus esforços para lidar com os problemas postos pela doença e seu tratamento. Os diabéticos estão sujeitos a múltiplos desencadeantes de stress, fisiopatológicos e psicológicos, que podem ser uma ameaça para potenciais perdas e mudanças de estilos de vida, com efeitos que englobam medo, ansiedade, baixa auto-estima e sintomatologia depressiva. Percebem diferentes níveis de QV e podem exibeir diferentes mecanismos de coping no confronto com os desencadeantes de stress no seu dia a dia. A QV é um conceito complexo com diversas dimensões, contudo uma revisão da literatura, sugere um crescente consenso acerca da necessidade de um grupo mínimo de domínios que deve ser abrangido, que incluem o funcionamento físico, o psicológico, o social e o cultural. As teorias do stress e da adaptação à doença dão-nos psitas de como os indivíduos lidam biológica e psicologicamente com os acontecimentos de vida desencadeantes de stress, permitindo aos técnicos de saúde compreender como as pessoas poderão reagir, possibilitando-lhes distinguir entre situações adaptativas ou maladaptativas, situações estas directamente relaciondas com a saúde mental e a QV. O completo bem-estar físico, mental e social e não só a ausência de doença que a OMS identifica como estado de saúde, exige do homem um equilíbrio constante consigo e com o seu próprio meio. Quando se pretende ajudar as pessoas a tornarem-se saudáveis, não mais nos referimos exclusivamente a ajudar a recuperar de uma doença física, mas ainda à necessidade de atender também os aspectos psico-sociais, numa visão holística do ser humano. Um indivíduo com uma doença crónica pode precisar de ajuda para fazer adaptações emocionais, comportamentais e sociais, pretendendo-se deste modo uma oportunidade de estruturação da compreensão da própria doença e criação de estratégias de coping eficazes para melhorar a sua QV.  A leitura de investigações produzidas, fizeram com que algumas interrogações se fossem levantando: quais os níveis de QV percebidos pelos diabéticos não insulinodependentes que povoam os nossos Centros de Saúde em relação à população geral? Qual a relação entre sintomatologia depressiva e diabetes mellitus? Quais os mecanismos de coping utilizados pelos diabéticos face a situações de stress desencadeadas pela doença? Qual a relação entre estes mecanismos, a doença e a QV? Assim, fomos estruturando o presente estudo, em torno da QV dos diabéticos e dos factores que nela interferem. Este trabalho desenvolver-se-à, fundamentalemnte em duas partes: Numa primeira parte, efectuaremos uma breve análise dos conceitos de Saúde QV. Abordaremos ainda o impacto que uma doença crónica, especificamente a diabetes mellitus, tem na QV. A segunda parte descreve-se a investigação de campo efectuada, com a definição dos objectivos de estudo, da população e métodos, seguida da apresentação e discussão dos resultados  e conclusões inerentes.
Página 1 de 3 1 2 3 > >>