Search Filter

Tipo de Documento

Nível Bibliográfico

Autor

Data

Editor

Coleção

Assunto

Forma do Assunto

Língua

Público-alvo

 
Texto
MFN: 33001
Estado: n    Tipo: a    Nível bibl.: m    Nível hierárquico:      Nível de cod.:      Forma de desc.: 

001:0045235
005:20130102130352.0
100:  ^a20010301d2000    K  y0pory0103    ba
101:0 ^apor
102:  ^aPT
200:  ^aStress em estudantes de enfermagem e imunidade^econtribuição para o estudo dos factores pessoais nas alterações imunitárias relacionadas com o stress.
210:  ^aBraga^c[s.n.]^d2000
215:  ^a171, [27] fls.^cmimeografado
300:  ^aTese de Doutoramento em Educação, área da Psicologia da Educação
328:  ^aOs alunos que frequentam o ensino de enfermagem são jovens e saudáveis. Como resultado da observação empírica no exercício da actividade docente, é com alguma inquietude que constatamos a existência de pontuais mas significativas alterações da condição de saúde dos alunos. Se algumas dessas situações se podem perceber por uma grande proximidade entre pares proporcionada por turmas bastante grandes, como as do foro respiratório, outras, como alterações significativas de peso, os pedidos de ajuda psicológica ou mesmo uma fractura por stress, isto é, sem antecedente traumático, não encontram uma justificação simples. Desta percepção subjectiva resultou o estímulo para pensar o trabalho que agora se apresenta. As questões: as alterações verificadas nas condições de saúde dos alunos de enfermagem poderão ser explicadas por situações de stress relacionadas com o curso?; e, se sim, como é que essa influência negativa na sua saúde se processa?; quais as características dos indivíduos que podem ser protectoras e quais aquelas que podem ser potenciadoras dessa mesma influência negativa na sua saúde? – serviram como ponto de partida. Para a formulação destas questões contribuíram, sem dúvida, algumas preocupações resultantes de reflexões não sistematizadas acerca do ensino de enfermagem. A forma de organização actual de acesso ao ensino superior cria condições de grande competitividade. Para poder entrar num curso do seu agrado muitos alunos realizam um esforço muito grande, que por vezes se inicia no 10º. Ano de escolaridade e culmina com os exames do 12º. Ano. Nalguns casos o acesso disputa-se às centésimas. Os cursos das áreas da saúde são aqueles que exigem médias de acesso mais elevadas. Nesta área vocacional, o curso de medicina é aquele que impõe uma nota de acesso mais alta. Para o curso de enfermagem, e apesar de ter vindo a aumentar todos os anos o número de vagas, a média de acesso tem permanecido bastante exigente. Nestas condições, os estudantes, quando iniciam o curso de enfermagem, fazem-no após um ano particularmente desgastante. O início do curso é acompanhado para muitos de uma saída do seu meio social habitual e do começo de novas responsabilidades. O aumento de complexidade dos conteúdos e a incerteza sobre a adesão a um modelo profissional que se avizinha num futuro próximo constituem, sem dúvida, alguns dos factores que podem contribuir para uma necessidade de mobilização de mais recursos adaptativos. Historicamente, o modelo de abordagem do Homem, da saúde e da doença em enfermagem é holístico. Assim, o ensino de enfermagem assenta tanto nas ciências biológicas, como nas ciências sociais. A menor preparação dos estudantes nestas áreas de ciências sociais, uma vez que não são disciplinas específicas para o curso no ensino secundário, e eventualmente uma construção do papel do enfermeiro mais vocacionado para as funções curativas em detrimento das funções “de cuidar” de enfermagem, podem ser factores adicionais de alguma tensão. Igualmente o contacto precoce com o hospital, a doença e os doentes, e o esforço que tal situação exige, não só de mobilização de conhecimentos teórico-práticos específicos relacionados com a situação clínica das pessoas a quem vão prestar cuidados, mas mais ainda devido aos problemas éticos, e comunicacionais que tais situações impõem, são propiciadores de momentos de grande tensão. A organização do currículo escolar tenta frequentemente contemplar cada semestre de aprendizagem com um período teórico e teórico-prático e um período de aprendizagem clínica em ambiente hospitalar ou noutro tipo de unidade assistencial. O número de disciplinas por semestre é habitualmente elevado. Destas duas condições resultam horários escolares sobrecarregados e planos de avaliação pesados. Os momentos de avaliação na aprendizagem escolar constituem situações que a generalidade dos indivíduos classifica como sendo de stress. Muitos estudos realizados nesta área relacionam-no com o desempenho e o desenvolvimento escolar (Cruz, 1988). Outros, têm procurado identificar os factores que de uma forma directa ou indirecta podem contribuir para a grandeza do stress sentido (Ferreira, 1993). Em certa medida, essa tensão gerada é propiciadora de maior eficácia da resposta. No entanto, quando é excessiva, são múltiplos os efeitos negativos que daí podem decorrer. Alguns desses efeitos podem ter repercussões na saúde, tanto física como psicológica. No trabalho actual procuramos identificar a importância relativa de cada uma destas situações (ou de outras) e compreender como podem influenciar a saúde dos alunos. Situamo-nos no paradigma conceptual do stress como modelo transacional (Lazarus, 1984), seleccionamos duas variáveis pessoais – estratégias de coping e locus de controlo – que podem constituir factores explicativos para as alterações encontradas. Para avaliar as respostas imunológicas, resultantes do stress dos estudantes, foi seleccionado um conjunto de indicadores fisiológicos e biológicos específicos. Ao mesmo tempo foi avaliada a sintomatologia depressiva e pedida uma apreciação subjectiva do estado de saúde no período classificado como sendo de stress. Atendendo ao carácter holístico da formação em enfermagem, a psiconeuroimunologia tem proporcionado aos investigadores de enfermagem uma estrutura de abordagem nas suas investigações acerca das relações entre fenómenos comportamentais e biológicos e as suas influências na saúde (Zeller, 1996). Foi, pois, com base nos conhecimentos desenvolvidos nesta área de investigação que concebemos o nosso plano metodológico. Assim, realizamos numa primeira fase um estudo exploratório cujo objectivo principal foi o de identificar quais os momentos que os alunos de enfermagem referiam como sendo os mais stressantes. Identificados estes, seleccionamos um, o período de avaliações do 1º. Semestre do 1º. Ano. Tendo em conta este período, fomos estudar as relações entre stress, estratégias de lidar com o stress e locus de controlo e a imunidade. O estudo realizado foi de tipo quasi-experimental. Procedeu-se a um ensaio a uma replicação no ano lectivo seguinte. A apresentação da dissertação está dividida em duas partes fundamentais. Na primeira parte, apresenta-se o enquadramento teórico em que esta investigação pode ser integrada. Compreende três capítulos. O stress mostrou ser um tema fecundo de investigação e divulgação científica e popular. Assim, procuramos no primeiro capítulo fazer uma síntese das várias abordagens do stress ao longo dos últimos anos, clarificando a forma como, nesta investigação, foi conceptualizado. O segundo capítulo descreve o sistema imunológico de uma forma geral. Por último, o terceiro capítulo expõe as relações entre o stress, o sistema imunológico e a saúde. Numa segunda parte apresentamos o estudo realizado. Após a exposição das hipóteses de investigação formuladas, começamos por descrever de forma mais detalhada a concepção metodológica e as opções tomadas nesta matéria. O segundo capítulo apresenta os resultados do estudo exploratório, que permite compreender algumas das opções tomadas na concepção metodológica. A apresentação dos resultados, terceiro capítulo, dividida nos dois ensaios, expõe os dados recolhidos através dos instrumentos de avaliação seleccionados e os resultados do estudo inferencial realizado. No quarto capítulo desenvolve-se a respectiva discussão. Conclui-se com uma sistematização dos resultados mais relevantes, uma reflexão acerca das limitações do estudo realizado, as indicações que, pensamos, se podem retirar para a prática e sugestões no sentido da continuação da investigação e acção neste domínio.
606:  ^aEstudante de enfermagem^xStress
606:  ^aEstudante de enfermagem^xStress
606:^xImunidade
606:  ^aStress
606:  ^aAluno de enfermagem
606:  ^aImunidade
606:  ^aEducação
606:  ^aPsicologia da Educação
675:  ^a616.89:37:616-083
700: 1^aMendes^bAida Maria de Oliveira Cruz
930:  ^d043-T MEN STR [23]
Texto
MFN: 33725
Estado: n    Tipo: a    Nível bibl.: a    Nível hierárquico: 0    Nível de cod.:      Forma de desc.: 

001:0045959
005:20130102130657.0
100:  ^a20010629a2001    mmmy pora0303     
101:0 ^apor
102:  ^aBR
200:  ^a<O >estresse na atividade ocupacional do enfermeiro
461:  ^t"Revista Latino-Americana de Enfermagem"
461:^cRibeirão Preto^vvol. 9, nº. 2 (Mar. 2001)
461:^pp. 17-25
606:  ^aSaúde ocupacional^xEnfermeiro
606:^xStress
606:  ^aEnfermeiro^xStress
606:  ^aStress
606:  ^aEnfermagem
675:  ^a615-057:616-083
700:  ^aStacciarini^bJeanne Marie R.
701:  ^aTrócoli^bBartholomeu T.^4205
930:  ^d05:616-083 RLAE
Capa
MFN: 38334
Estado: n    Tipo: a    Nível bibl.: m    Nível hierárquico: 0    Nível de cod.:      Forma de desc.: 

001:0050569
005:20150325140523.0
010:  ^a85-216-1361-X
021:  ^aBR
035:  ^a0014287
035:  ^a0014717
035:  ^a0014775
035:  ^a0014865
035:  ^a0014868
035:  ^a0015425
035:  ^a0017499
035:  ^a0017834
100:  ^a20040219d2001    m  y0pory0103    ba
101:0 ^apor^cpor
102:  ^aBR
200:1 ^aPsicologia do comportamento especial (abnormal psychology)^fGerald C. Davidson^gJohn M. Neale
205:  ^a8ª. ed
210:  ^aRio de Janeiro^cEd. LTC - Livros Técnicos e Científicos^d2001
215:  ^a677 p.^cil.
300:  ^aGlossário
606:  ^aTranstornos do comportamento social
606:  ^aDilema ético
606:  ^aComportamento^xTeorias
606:  ^aTranstornos mentais
606:  ^aPsicoterapia
606:  ^aTranstornos da ansiedade
606:  ^aTranstornos psicofisiológicos
606:  ^aPsicologia da saúde
606:  ^aStress
606:  ^aDoenças cardiovasculares
606:  ^aAsma
606:  ^aSIDA
606:  ^aComportamento na saúde
606:  ^aTranstornos alimentares
606:  ^aAnorexia nervosa
606:  ^aBulimia
606:  ^aTranstornos do humor
606:  ^aInfância^xDepressão
606:  ^aAdolescentes^xDepressão
606:  ^aSuicídio
606:  ^aEsquizofrenia
606:  ^aToxicodependência
606:  ^aAlcoolismo
606:  ^aTabagismo
606:  ^aTranstornos da personalidade
606:  ^aTranstornos psicossexuais
606:  ^aTranstornos sexuais
606:  ^aParafilia
606:  ^aEnvelhecimento
606:  ^aVelhice
606:  ^aSuicídio
606:  ^aPsicoterapia
606:  ^aÉtica
606:  ^aAprendizagem
606:  ^aAutismo
606:  ^aDeficientes
606:  ^aDemencia
606:  ^aDepressão
606:  ^aEmoção
606:  ^aStress
606:  ^aFamília
606:  ^aFobia
606:  ^aGénero
606:  ^aIdentidade própria
606:  ^aIdentidade sexual
606:  ^aIdoso
606:  ^aInfância
606:  ^aComportamento obsessivo-compulsivo
606:  ^aPersonalidade
606:  ^aAtraso mental
606:  ^aDistúrbios somatoformes
606:  ^aTranstornos do sono
620:  ^aBR
675:  ^a616.89
700: 1^aDavidson^bGerald C.
701: 1^aNeale^bJohn M.^4205
701: 1^4205
859:  ^aCapa^b\4093 ess.jpg^c1
930:  ^d159.98 DAV PSI [4093]
Texto
MFN: 45275
Estado: n    Tipo: a    Nível bibl.: a    Nível hierárquico: 0    Nível de cod.:      Forma de desc.: 

001:0057521
005:20130102142417.0
035:  ^a14291
035:  ^a0015635
035:  ^a0016162
035:  ^a0016421
035:  ^a0017094
035:  ^a0017558
035:  ^a0017651
035:  ^a0018140
035:  ^a0022245
035:  ^a0023355
035:  ^a0024021
035:  ^a0024781
100:  ^a20080512a2008    m  y0por 03      ba
101:0 ^apor
102:  ^aPT
200:1 ^aSobre-esforços mentais^e<o >stresse^fConsultec
461: 1^t"Segurança"
461:^cLisboa^x0870-8908
461:^vAno XLIII, nº. 183 (Mar.-Abr. 2008), p. 71-72^5ESEnf
606:  ^aStress
606:  ^aHigiéne e segurança no local de trabalho
606:  ^aSaúde ocupacional^xStress
606:  ^aComunicação
675:  ^a615-057
710:02^aConsultec
930:  ^d05:616-057 SEG [183/2008]
Texto
MFN: 32768
Estado: n    Tipo: a    Nível bibl.: a    Nível hierárquico: 0    Nível de cod.:      Forma de desc.: 

001:0045002
005:20130102130259.0
100:  ^a20010125a2000    m  y0por 03      ba
101:0 ^apor
102:  ^aPT
200:  ^aFactores de stress nos enfermeiros a trabalhar com a criança com doença oncológica
461:  ^t"Enfermagem"
461:^cLisboa^v2ª. série, nº. 19 (Jul.-Set. 2000)
461:^pp. 30-36
606:  ^aEnfermagem de saúde infantil e pediátrica^xCancro
606:  ^aCriança^xCancro
606:  ^aEnfermagem de saúde infantil e pediátrica^xCancro
606:^xCriança
606:^xStress
606:  ^aEnfermagem de saúde infantil e pediátrica^xStress
700: 1^aPedroso^bElsa
930:  ^d05:616-083 ENF
Texto
MFN: 43974
Estado: n    Tipo: a    Nível bibl.: a    Nível hierárquico:      Nível de cod.:      Forma de desc.: 

001:0056217
005:20130102141554.0
035:  ^a0013000
035:  ^a0018771
035:  ^a0020138
035:  ^a0021286
035:  ^a0021309
035:  ^a0023423
035:  ^a0023478
100:  ^a20070716d2006    m  y0spay0103    ba
101:0 ^aeng
102:  ^aPT
200:1 ^aPorque estamos stressados? Uma revisão bibliográfica da incidência do stress ocupacional no enfermeiro^fMaria Cecília Pires da Rocha^gMilva Maria Figueiredo de Martino
463: 1^aAssociação Portuguesa de Enfermeiros, org.^tInvestigar para melhor cuidar
463:^cLisboa: APE^d2006, 20 p. ^5ESEnf
500:1 ^aConferência Internacional de investigação em enfermagem, 9ª. Artigos de comunicações livres/poster's. Lisboa, 17-19 Outubro 2006
606:  ^aStress
606:  ^aEnfermeiro
606:  ^aSaúde ocupacional^xStress
606:  ^aEnfermagem
675:  ^a614
700: 1^aRocha^bMaria Cecília Pires da
701: 1^aMartino^bMilva Maria Figueiredo de^4070
701: 1^4070
702: 1^4050
702: 1^4050
930:  ^dCD-ROM APE INV [4652]
Texto
MFN: 41614
Estado: n    Tipo: a    Nível bibl.: a    Nível hierárquico: 0    Nível de cod.:      Forma de desc.: 

001:0053852
005:20130102135302.0
035:  ^a14291
035:  ^a0015635
035:  ^a0016162
035:  ^a0016421
035:  ^a0017094
035:  ^a0017558
035:  ^a0018242
035:  ^a0020369
035:  ^a0021115
035:  ^a0021116
100:  ^a20060112a2005    m  y0por 03      ba
101:0 ^apor
102:  ^aPT
200:1 ^aMecanismos de coping para a gestão do stress na UCI^eperspectiva dos enfermeiros^fAmadeu Braga Costa^gVasco Manuel Josefino
461: 1^t"Pensar enfermagem"
461:^cLisboa^x0873-8904
461:^vVol. 9, nº. 2 (2º. semestre 2006), p. 14-22
606:  ^aUnidade de Cuidados Intensivos^xStress
606:  ^aStress
606:  ^aCoping
606:  ^aEnfermeiro^xMecanismos de coping
675:  ^a616-083
700: 1^aCosta^bAmadeu Braga
701: 1^aJosefino^bVasco Manuel^4205
930:  ^d05:616-083 PEN [2/2005]
Texto
MFN: 43975
Estado: n    Tipo: a    Nível bibl.: a    Nível hierárquico:      Nível de cod.:      Forma de desc.: 

001:0056218
005:20130102141554.0
035:  ^a0013000
035:  ^a0018771
035:  ^a0020138
035:  ^a0021286
035:  ^a0021309
035:  ^a0023423
035:  ^a0023478
100:  ^a20070716d2006    m  y0spay0103    ba
101:0 ^aeng
102:  ^aPT
200:1 ^aPorque também estamos aquí... stress em neonatologia^erepresentações dos enfermeiros^fRita Nunes Graça^gMaria Alice dos Santos Curado
463: 1^aAssociação Portuguesa de Enfermeiros, org.^tInvestigar para melhor cuidar
463:^cLisboa: APE^d2006, 25 p. ^5ESEnf
500:1 ^aConferência Internacional de investigação em enfermagem, 9ª. Artigos de comunicações livres/poster's. Lisboa, 17-19 Outubro 2006
606:  ^aStress
606:  ^aSaúde ocupacional^xEnfermeiro
606:  ^aNeonatologia^xStress
606:  ^aPercepção social
675:  ^a616-053.2
700: 1^aGraça^bRita Nunes
701: 1^aCurado^bMaria Alice dos Santos^4070
701: 1^4070
702: 1^4050
702: 1^4050
930:  ^dCD-ROM APE INV [4652]
Texto
MFN: 27746
Estado: n    Tipo: a    Nível bibl.: a    Nível hierárquico: 0    Nível de cod.:      Forma de desc.: 

001:0039975
005:20130102122124.0
100:  ^a19980505d1998    k  y0pory0103    ba
101:0 ^apor
102:  ^aPT
200:1 ^aStress e adaptaçäo^fEsperanza Villanueva Joyce
463:  ^aSorensen e Luckman:enfermagem fundamental: abordagem psicofisiológica.-Lisboa:Lusodidacta, 1998.-p. 329-369
606:  ^aStress
606:  ^aAdaptaçäo
606:  ^aAdaptaçäo social
606:  ^aAnsiedade
606:  ^aBurnout
606:  ^aCoping
606:  ^aHospitalizaçäo^xStress
606:  ^aCuidados de enfermagem
606:  ^aEstudo de caso^xPlano de cuidados
675:  ^a616.89
700: 1^aVillanueva Joyce^bEsperanza
930:  ^d616-083 BOL SOR [2698]
Texto
MFN: 43184
Estado: n    Tipo: a    Nível bibl.: a    Nível hierárquico: 0    Nível de cod.:      Forma de desc.: 

001:0055427
005:20130102141116.0
035:  ^a0019993
035:  ^a0019992
035:  ^a0020195
035:  ^a0020448
035:  ^a0020452
035:  ^a0020616
035:  ^a0020800
035:  ^a0021404
035:  ^a0021406
035:  ^a0021425
035:  ^a0021428
035:  ^a0021435
035:  ^a0021490
035:  ^a0021729
035:  ^a0021849
035:  ^a0021911
035:  ^a0022018
035:  ^a0022287
035:  ^a0022690
100:  ^a20070207a2006    m  y0pory0103    ba
101:0 ^aspa
102:  ^aES
200:1 ^a<El >estrés de los estudiantes en las prácticas clínicas de enfermeria^fAntónia Pades Jiménez^gCatalina Homar Amengual
461: 1^t"Revista ROL de Enfermeria"
461:^cBarcelona^x0210-5020
461:^vvol. 29, nº. 9 (Sept. 2006), p. 19-24^5ESEnf
606:  ^aEnsino clínico de enfermagem^xStress
606:  ^aEstudante de enfermagem^xStress
675:  ^a616-083
700: 1^aPades Jiménez^bAntónia
701: 1^aHomar Amengual^bCatalina ^4070
801: 0^aPT
930:  ^d05:616-083 ROL [9/2006]