Search Filter

Tipo de Documento

Nível Bibliográfico

Autor

Data

Editor

Coleção

Assunto

Forma do Assunto

Língua

Público-alvo

 
Página 1 de 1 1
Capa
MFN: 92889
Estado: n    Tipo: l    Nível bibl.: a    Nível hierárquico:      Nível de cod.:      Forma de desc.: 

001:0118060
005:20160120125408.0
100:  ^a20160120a2015                      
101:0 ^apor^cpor
102:  ^aPT
200:1 ^aFerida maligna e radiógena^ecase study^fMarisa Matos
461: 1^00112018^cPorto^tOnco.News- Investigação e Informação em Enfermagem Oncológica^vAno VIII, Nº. 30 (jul.- out. 2015), p. 24-28^x1646-7868^5ESS
606:  ^aFerida radiógena^2.
606:  ^aFerida maligna
606:  ^aEstudo de caso
606:  ^aEnfermagem oncológica
675:  ^a616-006
700: 1^aMatos^bMarisa
801: 0^aPT
859:  ^aCapa^b\onconews.jpg^c1
930:  ^d05:616-006 ONC  [30/2015]^lESS
Texto
MFN: 89471
Estado: n    Tipo: a    Nível bibl.: m    Nível hierárquico:      Nível de cod.:      Forma de desc.: 

001:0113617
005:20170301173456.0
010:  ^dOferta
100:  ^a20140429d2013    m  y0pory0103    ba
101:0 ^apor
102:  ^aPT
200:1 ^a<A >Gestão da ferida maligna em cuidados paliativos^epráticas de enfermagem ^fCátia Regina Moreira
210:  ^aViana do Castelo ^c[s.n.]^d2013
215:  ^a115 p.^cil.^eDVD
300:  ^aDissertação de Mestrado em Cuidados Paliativos
330:  ^aCada ferida, assim como cada pessoa, é única e por isso requer uma valorização.Neste pressuposto, consideramos de todo o interesse realizar um estudo direcionado para a gestão da ferida maligna em cuidados paliativos com o objetivo de compreender as práticas de enfermagem na gestão da ferida maligna em cuidados paliativos, contribuindo para melhores práticas de cuidados e consequentemente um melhor controlo de sintomas e bem-estar psicossocial do doente e família. Optamos por um estudo de natureza qualitativa, do tipo exploratório/descritivo e como instrumento de recolha de dados utilizamos a entrevista semi-estruturada. Dos resultados encontrados destacam-se: a avaliação do doente como um todo, tendo em atenção as características físicas, psicológicas, sociais e espirituais; que existe falta de uniformização da avaliação das feridas; as intervenções realizadas pelos enfermeiros são dirigidas ao doente no seu todo e à ferida, no sentido de promover o autocuidado, a comunicação, prestar apoio e controlar sintomas emergentes de ferida; um conjunto de dificuldades relacionadas com complicações da ferida, com o doente (comunicação e alterações de imagem) e com os próprios enfermeiros (transmissão de más notícias e falta de formação), assim como as estratégias mobilizadas para as ultrapassar e que se direcionam para o trabalho em equipa, a gestão de recursos existentes, a gestão de emoções e a atualização de conhecimentos. Os resultados obtidos pretendem ainda constituir um ponto de reflexão para a mudança/inovação das práticas de Enfermagem.
606:  ^aCuidados Paliativos^2DeCS
606:  ^aFerida maligna^2Ln
675:  ^a616-006
700: 1^aMoreira^bCátia Regina Lima
856:40^uhttp://hdl.handle.net/20.500.11960/1186^zConsultar no Repositório do IPVC
930:  ^dO43-D MOR GES [101]^lESS
930:  ^dDVD MOR GES [101]^lESS
Página 1 de 1 1